ThinkPad: há 25 anos mudando o mundo
< Retornar à lista

Tecnologia Rápida, Medicamentos Mais Rápidos Ainda

“Anvita Gupta, aluna do segundo ano da Universidade de Stanford, diz que estava “um pouco nervosa” quando conheceu o Presidente Obama na Feira de Ciências da Casa Branca, no ano passado. Ao assistir ao seu encontro no YouTube, a estudante de biocomputação de 19 anos nascida no Arizona certamente não parece insegura ao discutir os desafios que circulam as novas descobertas do segmento médico com o presidente. “Podemos usar máquinas e inteligência artificial para descobrir drogas de forma mais rápida e com melhor custo”, ela aponta, rodeada por pinturas de antigos presidentes e candelabros.

A promissora cientista tem apenas alguns anos de pesquisa, mas já está causando grandes ondas na comunidade. Com diversos prêmios de grande notoriedade, um estágio planejado a ETH Zurique – uma universidade de tecnologia famosa no mundo inteiro – e uma das suas descobertas relacionadas a drogas considerada para experimentos clínicos na China, Gupta está bem no caminho para realizar mudanças inovadoras em saúde e tecnologia.

Avançando nas finais da Caça Talentos de Ciências da Intel 2015, ela foi uma das 8 estudantes selecionadas para conhecer o presidente e discutir seu trabalho com grandes professores da Escola de Medicina de Harvard. Basicamente, sua meta era utilizar algoritmos avançados para reduzir o tempo e os custos envolvidos na identificação de novos medicamentos.”

““Atualmente, precisamos de um bilhão de dólares e dez anos para desenvolver apenas uma droga”, indica Gupta. “Utilizar estas novas técnicas vai acelerar o processo e deixar as drogas mais baratas para os pacientes”. Para dizer o mínimo, seu tempo em Harvard compensou, uma vez que ela já identificou novas drogas promissoras para o câncer, tuberculose e Ebola – com diversas patentes TB sendo transferidas para os experimentos pré-clínicos na China.

Gupta tem alimentado sua paixão por biologia e computação desde o segundo ano do ensino médio, depois de ter se matriculado em cima da hora para a feira de ciências. Junto com o professor Sangeeta Agrawal, da Universidade Estadual de Wright – com apenas alguma experiência em clubes de robótica e seu ThinkPad – Gupta estava dando o primeiro passo em uma carreira longa e ilustre no ramo das ciências.

“A experiência de apresentar as minhas descobertas sempre é igual para mim, seja na escola ou a Casa Branca”, indica Gupta. “Eu sempre começo nervosa – mas, depois, a empolgação e a paixão tomam conta”. Depois de concluir seu primeiro projeto com o mapeamento de proteínas em câncer pancreático, ela se tornou uma pesquisadora com apenas 14 anos.”

“O que veio a seguir foi apenas uma conclusão lógica para uma especialista iniciante em biocomputação. “Fiquei obcecada com a idéia de usar a tecnologia para fazer grandes mudanças na área da saúde”, ela diz. Atualmente, ela está trabalhando com os Grupos Zou e Kindaje, de Stanford, que usam a inteligência artificial para desenvolver tecnologias de edição de genes e medicamentos personalizados. Ou seja, mutações possivelmente perigosas, como a fibrose cística e o câncer de pâncreas, podem ser “retiradas do DNA” antes de se desenvolverem.

Quando não está editando teses – ou códigos genéticos – no seu ThinkPad, a aluna está aperfeiçoando suas habilidades de liderança. Ela é fundadora do clube sem fins lucrativos para o Aprendizado de TI, Aplicativos e Software (LITAS). O que começou como um clube em Scottsdale, o AZ rapidamente se tornou uma organização nacional que ensina jovens a desenvolverem códigos, e as incentiva a seguir carreiras na área de tecnologia.

Aluna do segundo ano da faculdade, Gupta ainda não sabe exatamente onde seu trabalho pode levá-la nos próximos anos. Entretanto, independente de onde o futuro a leve, ela sorri ao lembrar dos seus primeiros sonhos de tornar-se pediatra. Ao passo em que esse sonho específico mudou, o espírito continua o mesmo. “Minha paixão é por levar uma vida que sirva bem aos outros”, ela diz, “por ter uma vida maior do que só a minha”.”

Processadores Intel® Core™. Se tem Intel, tem máxima produtividade.

Não é um notebook. É um ThinkPad.

Para saber tudo sobre a linha ThinkPad e comprar seus notebooks e tablets mais atuais, acesse o site Lenovo.com.

Ultrabook, Celeron, Celeron Inside, Core Inside, Intel, Intel Logo, Intel Atom, Intel Atom Inside, Intel Core, Intel Inside, Intel Inside Logo, Intel vPro, Itanium, Itanium Inside, Pentium, Pentium Inside, vPro Inside, Xeon, Xeon Phi, e Xeon Inside são marcas registradas da Intel Corporation e suas subsidiárias nos EUA e/ou demais países.